quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Carta: "Boa tarde senhorita!"

Série "Cartas Perdidas", Nº 6


É grande a satisfação que sinto ao saber de vossa presença no presente recinto virtual, poderia por hora e horas, paginas e paginas, tentar descrever a satisfação e prazer que sinto em conversar e estar na presença, ainda que virtual, de vossa senhoria, mas não saberia ao certo...

Descrever com a adequada eloquência a vasta parte do sentimento que me é despertado quando isso ocorre, que o clima e os bons ventos do sul de Minas Gerais possam ter-lhe aumentado a beleza, o que julgo ser impossível.

Porem creio ser de minha nobreza de espirito retratar o meu sentimento puro e sincero, e que brota pela sua imagem e sua pessoa real, e que cada dia mais se torna mais e mais selvagem e civilizado ao mesmo tempo, e que ao mesmo tempo quer casar na igreja e fugir pro matagal!

Como poder descrever em si um sentimento que brota no fundo da natureza e brota na raiz da civilização romana-cristã?

Como solicitar de nosso único senhor Jesus Cristo e da nossa Mãe-Natureza-Pagã a benção desse amor único, numa união imprevisivelmente ecumênica, impraticável porém único nesse globo?

Como unir o profano e o sagrado ao mesmo tempo?

Como saber que o prazer é o mesmo que o ser, o mesmo que ter, o mesmo que amar, o mesmo que existir? onde todos os sentimentos entram em sinestesia? Como?

Como saber que nosso amor é proibindo, inexistente nos planos terrenos, porem é existente em um plano imaterial e que vive e remexe em minha alma a cada segundo e a cada batida de diástole e sístole cardíaca? E não?

Meu coração não é um simples órgão hidráulico não, apesar das diversas paginas milhares mil, daquela tal de cardiologia?

Meu coração é o que me faz sentir, ele é minha alma emocional, me faz sentir amor, puro e simples, total por aquilo que nem eu mesmo compreendo?
Deus ou a Natureza?

Me dotou de um órgão que se acelera perto do meu amor...perto da pessoa que eu tanto amo! Me faz acelerar quando se que seu sorriso é sincero  olhando pra mim mas fez ser tão incerto!

Num órgão que é descrito tão friamente por diversas páginas de livros de cardiologia como uma reles bomba hidráulica de sangue? Não é! Não e não!


Eu te amo e nunca que nada disso iria mudar! Independente de qualquer coisa!


"Nada me faz perder a esperança no amor impossível"

Um comentário:

Anônimo disse...

"Nada me faz perder a esperança no amor impossível"
Eh bem isso mesmo <3