quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

O Medo

Série "Poesias e Devaneios", Nº 14


Tenho medo
Medo de quê? De quem? Porque?
Tenho medo de morrer cedo, medo de viver muito
Muito medo de chuva, ou do sol também
Costumo ter medo da rua, medo das pessoas, medo das sombras
Tenho medo de amar, e também de odiar
Medo dos cantos, dos espelhos que me fitam
O medo é biológico, mas também psicológico, ou virtual, imaginário
Mas não esqueço que também tenho medo de me perder
Medo de esquecer quem realmente eu sou,
De saber quem eu era, ou fui, sei lá
Não sei ao certo o real motivo, motivo desse medo
Medo do ostracismo, real ou fictício
Mas ele virá
Mas com certeza, o pior dos medos
O real medo, é ficar sem o amor...
O amor de quem eu amo, ou amei, ou vou amar,
Pois com certeza não é medo de não ter ninguém
E sim não ter alguém que tanto quero, ou nunca deixei de querer
O resto é bobagem, não existe mais nenhum medo, a não ser esse...


"O grande mal, a grande aflição é o conjunto de lembranças. O passado se entrelaça com o presente de maneira abrupta e totalmente irreal"



Nenhum comentário: