terça-feira, 10 de março de 2015

Um Soneto

Série "Poesias e Devaneios", Nº 18


Salve o amor que a vida despedaça!
Embevecido, torpe e desgraçado
Amor febril, dor que nunca passa
Torturante sonho já sepultado

Salve a vida de eternos desenganos!
O ser parte de tudo, sem ser parte...
O ser estranho entre outros humanos
O viver na Terra ansiando a Marte!

E a solidão no cosmos que desejas
Já não é dura prisão, é liberdade
É o fugir das dores e das pelejas

A que a humana existência nos condena
Que ninguém ouse chama-me covarde!
Por buscar a existência mais plena


Por Raphael Soares Calado



"Não sucumbirei, não irei me refugiar em nenhuma ilusão"


Nenhum comentário: