sábado, 18 de julho de 2015

Livramento

Série "Poesias e Devaneios", Nº 23


Por breve momento, não soube o que fui
Por algumas horas nem sei aonde iria
Livramento! Há tempos não sentia mais
Achei minha verdade. Impossível retornar agora

Tal verdade simples, crua
Desnuda, cruel
Se mostra sincera e agressiva
Me rasga de dentro pra fora

Em um instante algo mudou a minha vida
Recordo tal segundo, esperança desmedida
Vi estranhas nuances, outras cores, formas
Superei meus piores horrores

Aonde o meu senso ainda vai me levar?
Não sei, tenho que estar pronto
Ter força, honra e sentir a vida
Sempre, sem chegada nem partida 

Abro os olhos, não sinto mais ódio
No fim foram-se todos os meus medos
Nobre doutrina. Esse lugar
Isso é serenidade

"Para que a insistência? Se não sabe nem o que é, muito menos de onde veio, e no fim o que se tornou..."

Nenhum comentário: