segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Lugar Esquecido

Série "Poesias e Devaneios", Nº 33



Às vezes na alvorada, soturna como o incógnito
Noite infindável, como uma estrada
Para além, para um lugar esquecido

Anos e vontades se esvaíram
Escondidos nas lágrimas eles ainda estão sozinhos
Resvalando num mar infinito de amargura
Aquelas almas imploram pelo fim

Apenas aguardando, sentados, num banco velho
Feito de madeira e metal, numa estação
Aguardam a chegada do trem na hora marcada

Algum lugar onde não teria tempo pra perder
Algum mundo onde mentiras valem mais que a verdade
Um coração vazio, abraços perdidos, beijos rasgados
Algum lugar que a esperança é sombria

Infortúnios e azares...
Sobreleva vidas e as assombra como um fantasma
Ela alimenta a ganância que bebe diretamente da fonte
E enriquece o mais forte

Olhos famintos prenderam as almas entorpecidas
Flutuando pelos céus eles cruzam o arco-íris

Para algum lugar esquecido...

"Você não vê as cicatrizes, você se torna divino."


5 comentários:

Anônimo disse...

Bacana o texto hein. Meu nobre amigo

Waldinei Santos disse...

Gostei, humilhou os meus!

Eduardo Costa disse...

Que isso meu amigo tenho um longo caminho ainda RS. Obrigado

Cristina Martins disse...

Nossa eu li com dicionário do lado....Parabéns.....👏👏👏👏

Cristina Martins disse...

Nossa eu li com dicionário do lado....Parabéns.....👏👏👏👏